Receitas mais recentes

6 dos melhores lugares para roubar um beijo em St. Thomas

6 dos melhores lugares para roubar um beijo em St. Thomas


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

St. Thomas, uma ilha cosmopolita localizada no Caribe, é uma das três ilhas que compõem as Ilhas Virgens dos Estados Unidos. Os residentes dos EUA não precisam de passaporte para chegar lá e oferece algo especial durante todo o ano com mares quentes, brisas frescas, clima perfeito e mistério e glamour o suficiente para ser o local perfeito para férias a poucos passos de casa. St. Thomas também é uma joia escondida para momentos românticos; aqui estão seis lugares para roubar um beijo nesta ilha sexy:

Foto cedida por WikiMedia Commons
Em uma das melhores praias do mundo

Algumas das melhores praias e areias mais bonitas do mundo esperam por você em St. Thomas, tornando-o o lugar perfeito para relaxar e descontrair com alguém especial. St. Thomas tem mais de 40 praias perfeitas para se adequar a qualquer seu estado de espírito. Quer ser um vagabundo da praia? Deite-se, bronzeado e sonhe acordado em uma faixa serena de areia na Praia Limetree. Os aventureiros da praia dirigem-se a enclaves rochosos afastados e fazem algumas explorações. As borboletas sociais podem conferir restaurantes, aluguel de cadeiras e bebidas na ilha no imensamente popular Magen’s Bay.

Foto cedida por VisitUSVI.com
Em uma aventura na ilha

Para quem quer aproveitar as águas cristalinas e turquesa, rume a alguns dos mais diversos pontos de mergulho do mundo. Se você preferir navegar pelos mares, o iate é uma forma popular de explorar as ilhas, enquanto obtém um bronzeado fabuloso com seu namorado. Se você for ousado o suficiente para tentar alimentar os tubarões, terá uma descarga de adrenalina no Coral World Ocean Park, onde poderá mergulhar com tubarões jovens nativos do Caribe.

Foto cortesia do Caribbean Fish Market
Durante uma refeição decadente

De jantares à luz de velas à luz de velas na praia com pianista ao vivo no Caribbean Fish House a um ambiente mais casual e íntimo no Twisted Cork Café, explore o que há de melhor no amor. As iguarias da ilha são uma mistura eclética de estilos de cozinha importados da África, Europa e Ásia. O resultado? Um casamento de ingredientes locais e importados combinados com frutos do mar, produtos frescos, favoritos americanos e um toque caribenho para compor uma saborosa mistura de sabores e cozinhas. Um favorito dos locais para a culinária das Índias Ocidentais é o Glady’s Café, que serve comida americana juntamente com pratos tradicionais de cabra e curry, entre outros. Para ter uma refeição americana singular, discreta e sofisticada, vá ao The Twisted Cork. Enfeitado com garrafas de vinho, caixotes de madeira e velas, este é o lugar perfeito para provar uma taça de vinho e roubar um beijo.

Durante uma bebida local

Com as fábricas Cruzan Rum e Captain Morgan bem ao lado, na vizinha St. Croix, não é de admirar que a ilha se especialize em bebidas decadentes de rum. Do popular analgésico (rum, creme de coco, suco de abacaxi e laranja) ao famoso Bushwhacker (creme de coco, rum escuro, creme de cacau, leite e licor de café), você certamente encontrará a especialidade da sua ilha, bem como um beijinho romântico.

Foto cedida por Yacht Haven Grande
No Yacht Haven Grande

Para um pouco de romance sofisticado enquanto passeia por lojas, restaurantes e boutiques, vá para Yacht Haven Grande. Esta prestigiosa área comercial ao ar livre com localização central está repleta de cafés e restaurantes pitorescos, perfeitos para uma refeição rápida enquanto admira os super iates que alinham as docas. As compras combinam um pouco do sabor local com marcas de luxo procuradas, e as compras podem ser feitas na Louis Vuitton, Bulgari, Gucci, Ferragamo e em mais de 40 outros varejistas.

Foto cortesia da St. Thomas International Regatta
Na St. Thomas International Regatta

Uma vez por ano, o romance atinge as águas quando a St. Thomas International Regatta explode na cidade, assumindo o St. Thomas Yacht Club e as águas cristalinas azul-turquesa com ilustres veleiros de todo o mundo. Com uma sensação lúdica de aventura náutica, roube um beijo nas praias arenosas dos Iates Clubs. Anteriormente Rolex International Regatta, o evento também é repleto de festas de abertura, premiações e cerimônias de encerramento.


Como fazer um beijo francês

"O que você acha, Lee, ela está pronta para te dar um grande beijo - sabe!" disse Roger.

"Eu nunca beijei uma garota antes", respondeu Lee, com hesitação.

"Ela concorda, sem você a obrigar?"

“Sim, sim, sim, claro, ela disse que está tudo bem, mas a oferta não vai durar para sempre. Se você tem medo de deixar passar, a perda é sua. Sherry está esperando com lábios quentes, decida-se, cara. "

"Não, eu não tenho medo" disse Lee, respirando fundo, olhando para Sherry, seu lindo cabelo loiro, cabelo sedoso, pernas longas e bem torneadas, olhos azuis escuros, cintura fina.

"Quantos anos tem seu irmão Mike?" perguntou Rodger.

“Treze, certo,” Mike olhando para mim.

"Bem, aqui está, ela tem dezessete anos", disse Rodger, que tinha dezenove.

Eu disse em minha mente, cara, ele fica com uma linda garota.

Vários garotos da vizinhança ficaram parados esperando o evento acontecer, tudo começou como uma brincadeira quando descobriram que eu nunca tinha beijado uma garota.

A turma observava com impaciência, fazendo gestos uns para os outros como se dissessem: vamos colocar isso na estrada, ou esqueça, já está ficando velho.

Decidi naquele momento, enquanto os gestos estavam sendo jogados para frente e para trás, fazer meu movimento, olhando para Rodger enquanto ele olhava aqui e ali, com um sorriso, sendo o homem do momento com sua namorada,

Rodger era um dos principais membros da gangue não oficial do bairro, ou se você preferir, membros do grupo, também conhecido como a 'Gangue da Rua Cayuga-Donkeyland', assim apelidado por um policial que patrulhava a área, e por a maior parte era parcial para as crianças. Ele disse uma vez, e Lee ouviu,

"Vocês, crianças aqui embaixo, são um bando de Dinkies ... vocês todos vivem em Donkeyland, apenas um bando de crianças teimosas."

Acho que quando ele foi para a Delegacia de Polícia de St. Paul onde trabalhava, ele se referiu ao local [Cayuga Street pelo Cemitério de Oakland] como Donkeyland. Seja como for, eu percebi isso e nunca saiu da minha mente, e disse aos caras.

Quando Sherry se aproximou de Lee, que estava a vários metros a seu lado ao lado de Rodger, agora se aproximava dele, ela estava a menos de meio metro. Ela sorriu aquele sorriso suave e reservado que colocou a mão em seus ombros,

“Sim,” ele comentou. E então ela tocou seus lábios suavemente, posicionando-os suavemente, e um pouco mais forte, ela já havia se movido para dentro de um pé dele, agora ela moveu o outro pé para mais perto, e seu corpo estava tocando o dele, e o beijo se tornou longo e molhado. Então, lentamente, ela se afastou dele. Rodger estava olhando, um tanto surpreso que todos olhavam para Lee em busca de uma resposta.

"Bem", disse Rodger, "você gostou?" Sherry ainda olhando com um sorriso para Lee,

"Eu quero outro", disse Lee com as sobrancelhas quase tocando o topo da testa, abrindo mais os olhos como se fosse absorver cada pedacinho de calor que o beijo deu. Todos começaram a rir: - isto é, todos, exceto Rodger, que disse imediatamente,

"Eu compartilhei o suficiente para você ter sua própria namorada." Para Lee, o beijo duraria muito, muito tempo. Sherry parecia disposta a ir por alguns segundos, mas para evitar uma guerra, ela permaneceu em silêncio, enquanto os vários membros estavam no quintal de Lormer, duas casas de distância de Lee - Lormer era onde muitas das crianças iam jogar bilhar em seu porão . Seu pai era um grande chef e ele era parente de Frankie Yank Vic. Lee e ele eram melhores amigos, Lormer sendo um ano mais velho, alguns centímetros mais alto, tinha um nariz adunco do qual os caras zombavam, às vezes chamando-o de “Bico de Águia”.

Ele tinha uma mesa de bilhar profissional em seu porão, e sua mãe e filha tocavam piano com frequência e, quando possível, pregavam o Evangelho das Testemunhas de Jeová para quem quisesse ouvir. Lormer tinha vários irmãos, todos mais velhos. Um que acabava de sair da prisão, um que ocasionalmente andava com a gangue e outro que era mais velho e quase nunca era visto. A filha tinha apenas sete anos em 1963 e era tão mimada quanto um gato com cinco ratos mortos, querendo mais.

O quintal era enorme, eles não tinham apenas um quintal na frente, mas duas seções nos fundos. Às vezes era difícil para os pais de Lormer ver o que estava acontecendo em seu quintal. O quintal de Lee também era longo nos fundos, mas a casa deles sendo em uma colina, e a garagem sendo embaixo, com um pequeno terreno e um terreno baldio próximo a ele, tornou-se uma reviravolta para os carros na rua Cayuga, especialmente quando eles foram se arrastando.

O verão estava quente e, pelo que parecia, outras coisas estavam reservadas para Lee, não apenas esse primeiro beijo, mas foi o catalisador para uma longa peça em sua vida. Ele mediria todos os beijos de acordo com este. Sherry, seu pai sendo o guardião do cemitério e morando no cemitério, nunca esqueceria seu charme, beleza e sua abordagem gentil (esta história é um testemunho disso).

Artigos relacionados:-

postado por How To French Kiss às ​​23:01


Como fazer um beijo francês

"O que você acha, Lee, ela está pronta para te dar um grande beijo - sabe!" disse Roger.

"Eu nunca beijei uma garota antes", respondeu Lee, com hesitação.

"Ela concorda, sem você obrigá-la?"

“Sim, sim, sim, claro, ela disse que está tudo bem, mas a oferta não vai durar para sempre. Se você tem medo de deixar passar, a perda é sua. Sherry está esperando com lábios quentes, decida-se, cara. "

"Não, eu não tenho medo" disse Lee, respirando fundo, olhando para Sherry, seu lindo cabelo loiro, cabelo sedoso, pernas longas e bem torneadas, olhos azuis escuros, cintura fina.

"Quantos anos tem seu irmão Mike?" perguntou Rodger.

“Treze, certo,” Mike olhando para mim.

"Bem, aqui está, ela tem dezessete anos", disse Rodger, que tinha dezenove.

Eu disse em minha mente, cara, ele fica com uma linda garota.

Vários garotos da vizinhança ficaram parados esperando o evento acontecer, tudo começou como uma brincadeira quando descobriram que eu nunca tinha beijado uma garota.

A turma observava com impaciência, fazendo gestos uns para os outros como se dissessem: vamos colocar isso na estrada, ou esqueça, já está ficando velho.

Decidi naquele momento, enquanto os gestos estavam sendo jogados para frente e para trás, fazer meu movimento, olhando para Rodger enquanto ele olhava aqui e ali, com um sorriso, sendo o homem do momento com sua namorada,

Rodger era um dos principais membros da gangue não oficial do bairro, ou se você preferir, membros do grupo, também conhecido como a 'Gangue da Rua Cayuga-Donkeyland', assim apelidado por um policial que patrulhava a área, e por a maior parte era parcial para as crianças. Ele disse uma vez, e Lee ouviu,

"Vocês, crianças aqui embaixo, são um bando de Dinkies ... vocês todos vivem em Donkeyland, apenas um bando de crianças teimosas."

Eu acho que quando ele foi para a Delegacia de Polícia de St. Paul onde trabalhava, ele se referiu ao local [Cayuga Street pelo Cemitério de Oakland] como Donkeyland. Seja como for, eu peguei nisso e nunca saiu da minha mente, e disse aos caras.

Quando Sherry se aproximou de Lee, que estava a vários metros a seu lado ao lado de Rodger, agora se aproximava dele, ela estava a menos de meio metro. Ela sorriu aquele sorriso suave e reservado que colocou a mão em seus ombros,

“Sim,” ele comentou. E então ela tocou seus lábios suavemente, posicionando-os suavemente, e um pouco mais forte, ela já havia se movido para dentro de um pé dele, agora ela moveu o outro pé para mais perto, e seu corpo estava tocando o dele, e o beijo se tornou longo e molhado. Então, lentamente, ela se afastou dele. Rodger estava olhando, um tanto surpreso que todos olhavam para Lee em busca de uma resposta.

"Bem", disse Rodger, "você gostou?" Sherry ainda olhando com um sorriso para Lee,

"Eu quero outro", disse Lee com as sobrancelhas quase tocando o topo da testa, abrindo mais os olhos como se fosse absorver cada pedacinho de calor que o beijo deu. Todos começaram a rir: - isto é, todos, exceto Rodger, que disse imediatamente,

"Eu compartilhei o suficiente para você ter sua própria namorada." Para Lee, o beijo duraria muito, muito tempo. Sherry parecia disposta a ir por alguns segundos, mas para evitar uma guerra, ela permaneceu em silêncio, enquanto os vários membros estavam no quintal de Lormer, duas casas de distância de Lee - Lormer era onde muitas das crianças iam jogar bilhar em seu porão . Seu pai era um grande chef e ele era parente de Frankie Yank Vic. Lee e ele eram melhores amigos, Lormer sendo um ano mais velho, alguns centímetros mais alto, tinha um nariz adunco do qual os caras zombavam, às vezes chamando-o de “Bico de Águia”.

Ele tinha uma mesa de bilhar profissional no porão, e sua mãe e filha tocavam piano com frequência e, quando possível, pregavam o Evangelho das Testemunhas de Jeová para quem quisesse ouvir. Lormer tinha vários irmãos, todos mais velhos. Um que acabava de sair da prisão, um que ocasionalmente andava com a gangue e outro que era mais velho e quase nunca era visto. A filha tinha apenas sete anos em 1963 e era tão mimada quanto um gato com cinco ratos mortos, querendo mais.

O quintal era enorme, eles não tinham apenas um quintal na frente, mas duas seções nos fundos. Às vezes era difícil para os pais de Lormer ver o que estava acontecendo em seu quintal. O quintal de Lee também era longo nos fundos, mas a casa deles estando em uma colina, e a garagem sendo embaixo, com um pequeno terreno e um terreno baldio próximo a ele, tornou-se uma reviravolta para os carros na rua Cayuga, especialmente quando eles foram se arrastando.

O verão foi quente e, pelo que parecia, outras coisas estavam reservadas para Lee, não apenas esse primeiro beijo, mas foi o catalisador para uma longa peça em sua vida. Ele mediria todos os beijos de acordo com este. Sherry, seu pai sendo o guardião do cemitério e morando no cemitério, nunca esqueceria seu charme, beleza e sua abordagem gentil (esta história é um testemunho disso).

Artigos relacionados:-

postado por How To French Kiss às ​​23:01


Como fazer um beijo francês

"O que você acha Lee, ela está pronta para te dar um grande beijo - sabe!" disse Roger.

"Eu nunca beijei uma garota antes", respondeu Lee, com hesitação.

"Ela concorda, sem você a obrigar?"

“Sim, sim, sim, claro, ela disse que está tudo bem, mas a oferta não vai durar para sempre. Se você tem medo de deixar passar, a perda é sua. Sherry está esperando com lábios quentes, decida-se, cara. "

"Não, eu não tenho medo" disse Lee, respirando fundo, olhando para Sherry, seu lindo cabelo loiro, cabelo sedoso, pernas longas e bem torneadas, olhos azuis escuros, cintura fina.

"Quantos anos tem seu irmão Mike?" perguntou Rodger.

“Treze, certo,” Mike olhando para mim.

"Bem, aqui está, ela tem dezessete anos", disse Rodger, que tinha dezenove.

Eu disse em minha mente, garoto, ele fica com uma linda garota.

Vários garotos da vizinhança ficaram parados esperando o evento acontecer, tudo começou como uma brincadeira quando descobriram que eu nunca tinha beijado uma garota.

A turma observava com impaciência, fazendo gestos uns para os outros como se dissessem: vamos colocar isso na estrada, ou esqueça, já está ficando velho.

Decidi naquele momento, enquanto os gestos estavam sendo jogados para frente e para trás, fazer meu movimento, olhando para Rodger enquanto ele olhava aqui e ali, com um sorriso, sendo o homem do momento com sua namorada,

Rodger era um dos principais membros da gangue não oficial do bairro, ou se você preferir, membros do grupo, também conhecido como a 'Gangue da Rua Cayuga-Donkeyland', assim apelidado por um policial que patrulhava a área, e por a maior parte era parcial para as crianças. Ele disse uma vez, e Lee ouviu,

"Vocês, crianças aqui embaixo, são um bando de Dinkies ... vocês todos vivem em Donkeyland, apenas um bando de crianças teimosas."

Eu acho que quando ele foi para a Delegacia de Polícia de St. Paul onde trabalhava, ele se referiu ao local [Cayuga Street pelo Cemitério de Oakland] como Donkeyland. Seja como for, eu percebi isso e nunca saiu da minha mente, e disse aos caras.

Quando Sherry se aproximou de Lee, que estava a vários metros a seu lado ao lado de Rodger, agora se aproximava dele, ela estava a menos de meio metro. Ela sorriu aquele sorriso suave e reservado que colocou a mão em seus ombros,

“Sim,” ele comentou. E então ela tocou seus lábios suavemente, posicionando-os suavemente, e um pouco mais forte, ela já havia se movido para dentro de um pé dele, agora ela moveu o outro pé para mais perto, e seu corpo estava tocando o dele, e o beijo se tornou longo e molhado. Então, lentamente, ela se afastou dele. Rodger estava olhando, um tanto surpreso que todos olhavam para Lee em busca de uma resposta.

"Bem", disse Rodger, "você gostou?" Sherry ainda olhando com um sorriso para Lee,

"Eu quero outro", disse Lee com as sobrancelhas quase tocando o topo da testa, abrindo mais os olhos como se fosse absorver cada pedacinho de calor que o beijo deu. Todos começaram a rir: - isto é, todos, exceto Rodger, que disse imediatamente,

"Eu compartilhei o suficiente para você ter sua própria namorada." Para Lee, o beijo duraria muito, muito tempo. Sherry parecia disposta a ir por alguns segundos, mas para evitar uma guerra, ela permaneceu em silêncio, enquanto os vários membros estavam no quintal de Lormer, duas casas longe de Lee - Lormer era onde muitas das crianças iam jogar bilhar em seu porão . Seu pai era um grande chef e ele era parente de Frankie Yank Vic. Lee e ele eram melhores amigos, Lormer sendo um ano mais velho, alguns centímetros mais alto, tinha um nariz adunco do qual os caras zombavam, às vezes chamando-o de “Bico de Águia”.

Ele tinha uma mesa de bilhar profissional em seu porão, e sua mãe e filha tocavam piano com frequência e, quando possível, pregavam o Evangelho das Testemunhas de Jeová para quem quisesse ouvir. Lormer tinha vários irmãos, todos mais velhos. Um que acabava de sair da prisão, um que ocasionalmente andava com a gangue e outro que era mais velho e quase nunca era visto. A filha tinha apenas sete anos em 1963 e era tão mimada quanto um gato com cinco ratos mortos, querendo mais.

O quintal era enorme, eles não tinham apenas um quintal na frente, mas duas seções nos fundos. Às vezes era difícil para os pais de Lormer ver o que estava acontecendo em seu quintal. O quintal de Lee também era longo nos fundos, mas a casa deles estando em uma colina, e a garagem sendo embaixo, com um pequeno terreno e um terreno baldio próximo a ele, tornou-se uma reviravolta para os carros na rua Cayuga, especialmente quando eles foram se arrastando.

O verão estava quente e, pelo que parecia, outras coisas estavam reservadas para Lee, não apenas esse primeiro beijo, mas foi o catalisador para uma longa peça em sua vida. Ele mediria todos os beijos de acordo com este. Sherry, seu pai sendo o guardião do cemitério e morando no cemitério, nunca esqueceria seu charme, beleza e sua abordagem gentil (esta história é um testemunho disso).

Artigos relacionados:-

postado por How To French Kiss às ​​23:01


Como fazer um beijo francês

"O que você acha, Lee, ela está pronta para te dar um grande beijo - sabe!" disse Roger.

"Eu nunca beijei uma garota antes", respondeu Lee, com hesitação.

"Ela concorda, sem você obrigá-la?"

“Sim, sim, sim, claro, ela disse que está tudo bem, mas a oferta não vai durar para sempre. Se você tem medo de deixar passar, a perda é sua. Sherry está esperando com lábios quentes, decida-se, cara. "

“Não, eu não tenho medo” disse Lee, respirando fundo, olhando para Sherry, seu lindo cabelo loiro, cabelo de seda, pernas longas e bem torneadas, olhos azuis escuros, cintura fina.

"Quantos anos tem seu irmão Mike?" perguntou Rodger.

“Treze, certo,” Mike olhando para mim.

"Bem, aqui está, ela tem dezessete anos", disse Rodger, que tinha dezenove.

Eu disse em minha mente, cara, ele fica com uma linda garota.

Vários garotos da vizinhança ficaram parados esperando o evento acontecer, tudo começou como uma brincadeira quando descobriram que eu nunca tinha beijado uma garota.

A turma observava com impaciência, fazendo gestos uns para os outros como se dissessem: vamos colocar isso na estrada, ou esqueça, já está ficando velho.

Decidi naquele momento, enquanto os gestos estavam sendo jogados para frente e para trás, fazer meu movimento, olhando para Rodger enquanto ele olhava aqui e ali, com um sorriso, sendo o homem do momento com sua namorada,

Rodger era um dos principais membros da gangue não oficial do bairro, ou se você preferir, membros do grupo, também conhecido como a 'Gangue da Rua Cayuga-Donkeyland', assim apelidado por um policial que patrulhava a área, e por a maior parte era parcial para as crianças. Ele disse uma vez, e Lee ouviu,

"Vocês, crianças aqui embaixo, são um bando de Dinkies ... vocês todos vivem em Donkeyland, apenas um bando de crianças teimosas."

Eu acho que quando ele foi para a Delegacia de Polícia de St. Paul onde trabalhava, ele se referiu ao local [Cayuga Street pelo Cemitério de Oakland] como Donkeyland. Seja como for, eu percebi isso e nunca saiu da minha mente, e disse aos caras.

Quando Sherry se aproximou de Lee, que estava a vários metros a seu lado ao lado de Rodger, agora se aproximava dele, ela estava a menos de meio metro. Ela sorriu aquele sorriso suave e reservado que colocou a mão em seus ombros,

“Sim,” ele comentou. E então ela tocou seus lábios suavemente, posicionando-os suavemente, e um pouco mais forte, ela já havia se movido para dentro de um pé dele, agora ela moveu o outro pé para mais perto, e seu corpo estava tocando o dele, e o beijo se tornou longo e molhado. Então, lentamente, ela se afastou dele. Rodger estava olhando, um tanto surpreso que todos olhavam para Lee em busca de uma resposta.

"Bem", disse Rodger, "você gostou?" Sherry ainda olhando com um sorriso para Lee,

"Eu quero outro", disse Lee com as sobrancelhas quase tocando o topo da testa, abrindo mais os olhos como se fosse absorver cada pedacinho de calor que o beijo deu. Todos começaram a rir: - isto é, todos, exceto Rodger, que disse imediatamente,

"Eu compartilhei o suficiente para você ter sua própria namorada." Para Lee, o beijo duraria muito, muito tempo. Sherry parecia disposta a ir por alguns segundos, mas para evitar uma guerra, ela permaneceu em silêncio, enquanto os vários membros estavam no quintal de Lormer, duas casas de distância de Lee - Lormer era onde muitas das crianças iam jogar bilhar em seu porão . Seu pai era um grande chef e ele era parente de Frankie Yank Vic. Lee e ele eram melhores amigos, Lormer sendo um ano mais velho, alguns centímetros mais alto, tinha um nariz adunco do qual os caras zombavam, às vezes chamando-o de “Bico de Águia”.

Ele tinha uma mesa de bilhar profissional no porão, e sua mãe e filha tocavam piano com frequência e, quando possível, pregavam o Evangelho das Testemunhas de Jeová para quem quisesse ouvir. Lormer tinha vários irmãos, todos mais velhos. Um que acabava de sair da prisão, um que ocasionalmente andava com a gangue e outro que era mais velho e quase nunca era visto. A filha tinha apenas sete anos em 1963 e era tão mimada quanto um gato com cinco ratos mortos, querendo mais.

O quintal era enorme, eles não tinham apenas um quintal na frente, mas duas seções nos fundos. Às vezes era difícil para os pais de Lormer ver o que estava acontecendo em seu quintal. O quintal de Lee também era longo nos fundos, mas a casa deles sendo em uma colina, e a garagem sendo embaixo, com um pequeno terreno e um terreno baldio próximo a ele, tornou-se uma reviravolta para os carros na rua Cayuga, especialmente quando eles foram se arrastando.

O verão estava quente e, pelo que parecia, outras coisas estavam reservadas para Lee, não apenas esse primeiro beijo, mas foi o catalisador para uma longa peça em sua vida. Ele mediria todos os beijos de acordo com este. Sherry, seu pai sendo o guardião do cemitério e morando no cemitério, nunca esqueceria seu charme, beleza e sua abordagem gentil (esta história é um testemunho disso).

Artigos relacionados:-

postado por How To French Kiss às ​​23:01


Como fazer um beijo francês

"O que você acha Lee, ela está pronta para te dar um grande beijo - sabe!" disse Roger.

"Eu nunca beijei uma garota antes", respondeu Lee, com hesitação.

"Ela concorda, sem você a obrigar?"

“Sim, sim, sim, claro, ela disse que está tudo bem, mas a oferta não vai durar para sempre. Se você tem medo de deixar passar, a perda é sua. Sherry está esperando com lábios quentes, decida-se, cara. "

"Não, eu não tenho medo" disse Lee, respirando fundo, olhando para Sherry, seu lindo cabelo loiro, cabelo sedoso, pernas longas e bem torneadas, olhos azuis escuros, cintura fina.

"Quantos anos tem seu irmão Mike?" perguntou Rodger.

“Treze, certo,” Mike olhando para mim.

"Bem, aqui está, ela tem dezessete anos", disse Rodger, que tinha dezenove.

Eu disse em minha mente, cara, ele fica com uma linda garota.

Vários garotos da vizinhança ficaram parados esperando o evento acontecer, tudo começou como uma brincadeira quando descobriram que eu nunca tinha beijado uma garota.

A turma observava com impaciência, fazendo gestos uns para os outros como se dissessem: vamos colocar isso na estrada, ou esqueça, já está ficando velho.

Decidi naquele momento, enquanto os gestos estavam sendo jogados para frente e para trás, fazer meu movimento, olhando para Rodger enquanto ele olhava aqui e ali, com um sorriso, sendo o homem do momento com sua namorada,

Rodger era um dos principais membros da gangue não oficial do bairro, ou se você preferir, membros do grupo, também conhecido como a 'Gangue da Rua Cayuga-Donkeyland', assim apelidado por um policial que patrulhava a área, e por a maior parte era parcial para as crianças. Ele disse uma vez, e Lee ouviu,

"Vocês, crianças aqui embaixo, são um bando de Dinkies ... vocês todos vivem em Donkeyland, apenas um bando de crianças teimosas."

Acho que quando ele foi para a Delegacia de Polícia de St. Paul onde trabalhava, ele se referiu ao local [Cayuga Street pelo Cemitério de Oakland] como Donkeyland. Seja como for, eu peguei nisso e nunca saiu da minha mente, e disse aos caras.

Quando Sherry se aproximou de Lee, que estava a vários metros ao lado dele ao lado de Rodger, agora se aproximava dele, ela estava a menos de meio metro. Ela sorriu aquele sorriso suave e reservado que colocou a mão em seus ombros,

“Sim,” ele comentou. E então ela tocou seus lábios suavemente, posicionando-os suavemente, e um pouco mais forte, ela já havia se movido para dentro de um pé dele, agora ela moveu o outro pé para mais perto, e seu corpo estava tocando o dele, e o beijo se tornou longo e molhado. Então, lentamente, ela se afastou dele. Rodger estava olhando, um tanto surpreso que todos olhavam para Lee em busca de uma resposta.

"Bem", disse Rodger, "você gostou?" Sherry ainda olhando com um sorriso para Lee,

"Eu quero outro", disse Lee com as sobrancelhas quase tocando o topo da testa, abrindo mais os olhos como se para absorver cada pedacinho de calor que o beijo deu. Todos começaram a rir: - isto é, todos, exceto Rodger, que disse imediatamente,

"Eu compartilhei o suficiente para você ter sua própria namorada." Para Lee, o beijo duraria muito, muito tempo. Sherry parecia disposta a ir por alguns segundos, mas para evitar uma guerra, ela permaneceu em silêncio, enquanto os vários membros estavam no quintal de Lormer, duas casas de distância de Lee - Lormer era onde muitas das crianças iam jogar bilhar em seu porão . Seu pai era um grande chef e ele era parente de Frankie Yank Vic. Lee e ele eram melhores amigos, Lormer sendo um ano mais velho, alguns centímetros mais alto, tinha um nariz adunco do qual os caras zombavam, às vezes chamando-o de “Bico de Águia”.

Ele tinha uma mesa de bilhar profissional em seu porão, e sua mãe e filha tocavam piano com frequência e, quando possível, pregavam o Evangelho das Testemunhas de Jeová para quem quisesse ouvir. Lormer tinha vários irmãos, todos mais velhos. Um que acabava de sair da prisão, um que ocasionalmente andava com a gangue e outro que era mais velho e quase nunca era visto. A filha tinha apenas sete anos em 1963 e era tão mimada quanto um gato com cinco ratos mortos, querendo mais.

O quintal era enorme, eles não tinham apenas um quintal na frente, mas duas seções nos fundos. Às vezes era difícil para os pais de Lormer ver o que estava acontecendo em seu quintal. O quintal de Lee também era longo nos fundos, mas a casa deles sendo em uma colina, e a garagem sendo embaixo, com um pequeno terreno e um terreno baldio próximo a ele, tornou-se uma reviravolta para os carros na rua Cayuga, especialmente quando eles foram se arrastando.

O verão estava quente e, pelo que parecia, outras coisas estavam reservadas para Lee, não apenas esse primeiro beijo, mas foi o catalisador para uma longa peça em sua vida. Ele mediria todos os beijos de acordo com este. Sherry, seu pai sendo o guardião do cemitério e morando no cemitério, nunca esqueceria seu charme, beleza e sua abordagem gentil (esta história é um testemunho disso).

Artigos relacionados:-

postado por How To French Kiss às ​​23:01


Como fazer um beijo francês

"O que você acha, Lee, ela está pronta para te dar um grande beijo - sabe!" disse Roger.

"Eu nunca beijei uma garota antes", respondeu Lee, com hesitação.

"Ela concorda, sem você obrigá-la?"

“Sim, sim, sim, claro, ela disse que está tudo bem, mas a oferta não vai durar para sempre. Se você tem medo de deixar passar, a perda é sua. Sherry está esperando com lábios quentes, decida-se, cara. "

“Não, eu não tenho medo” disse Lee, respirando fundo, olhando para Sherry, seu lindo cabelo loiro, cabelo de seda, pernas longas e bem torneadas, olhos azuis escuros, cintura fina.

"Quantos anos tem seu irmão Mike?" perguntou Rodger.

“Treze, certo,” Mike olhando para mim.

"Bem, aqui está, ela tem dezessete anos", disse Rodger, que tinha dezenove.

Eu disse em minha mente, cara, ele fica com uma linda garota.

Vários garotos da vizinhança ficaram parados esperando o evento acontecer, tudo começou como uma brincadeira quando descobriram que eu nunca tinha beijado uma garota.

A turma observava com impaciência, fazendo gestos uns para os outros como se dissessem: vamos colocar isso na estrada, ou esqueça, já está ficando velho.

Decidi naquele momento, enquanto os gestos estavam sendo jogados para frente e para trás, fazer meu movimento, olhando para Rodger enquanto ele olhava aqui e ali, com um sorriso, sendo o homem do momento com sua namorada,

Rodger era um dos principais membros da gangue não oficial do bairro, ou se você preferir, membros do grupo, também conhecido como a 'Gangue da Rua Cayuga-Donkeyland', assim apelidado por um policial que patrulhava a área, e por a maior parte era parcial para as crianças. Ele disse uma vez, e Lee ouviu,

"Vocês, crianças aqui embaixo, são um bando de Dinkies ... vocês todos vivem em Donkeyland, apenas um bando de crianças teimosas."

Eu acho que quando ele foi para a Delegacia de Polícia de St. Paul onde trabalhava, ele se referiu ao local [Cayuga Street pelo Cemitério de Oakland] como Donkeyland. Seja como for, eu percebi isso e nunca saiu da minha mente, e disse aos caras.

Quando Sherry se aproximou de Lee, que estava a vários metros ao lado dele ao lado de Rodger, agora se aproximava dele, ela estava a menos de meio metro. Ela sorriu aquele sorriso suave e reservado que colocou a mão em seus ombros,

“Sim,” ele comentou. E então ela tocou seus lábios suavemente, posicionando-os suavemente, e um pouco mais forte, ela já havia se movido para dentro de um pé dele, agora ela moveu o outro pé mais perto, e seu corpo estava tocando o dele, e o beijo ficou longo e molhado. Então, lentamente, ela se afastou dele. Rodger was staring, somewhat surprised everyone looking at Lee for a response.

“Well,” Rodger said, “Did you like it?” Sherry still looking with a smile at Lee,

“I want another one,” said Lee with his eyebrows almost touching the top of his forehead, opening up his eyes wider as if to absorb every little piece of warmth the kiss gave. Everyone started laughing: —that is, everyone but Rodger, who said immediately,

“I shared enough you’ve got to get your own girlfriend.” For Lee the kiss would last a long, long time. Sherry seemed willing to go for seconds but for the sake of preventing a war, she remained silent, as the several members stood in Lormer’s yard, two houses away from Lee’s -- Lormer’s was where many of the kids went to play pool in his basement. His father was a top chef, and he was related to Frankie Yank Vic. Lee and he were best of friends, Lormer being a year older, a few inches taller, had a hook for a nose which the guys made fun of, sometimes calling him “Eagle Beak.”

He had a professional pool table in his basement, and his mother and daughter played the piano often, and when possible preached the Jehovah Witness’s Gospel to whoever would listen. Lormer had several brothers, all older. One who just got out of prison, one that hung occasionally around with the gang, and one that was older and was hardly ever seen. The daughter was but seven years old in l963, and was as spoiled as a cat with five dead mice, wanting more.

The yard was huge they not only had a front yard, but two sections to the back. At times it was hard for either parents of Lormer’s to see what was happening in his backyard. Lee’s yard was also long in the back, but their house being on a hill, and the garage being below it, with a little land, and an empty lot next to it, it became a turn-around for the cars on Cayuga Street, especially when they went dragging.

The summer was warm, and by the looks of things may other things were in store for Lee, not just this first kiss, but it was the catalyst to a long running play in his life. He would measure all kisses according to this one. Sherry, her father being the Cemetery Custodian, and living in the Cemetery, would never be forgotten her charm, beauty, and her kind approach (this story is a testimony to that).

Related Articles:-

posted by How To French Kiss at 11:01 PM


How To French Kiss

“What’d ya-think Lee, she’s ready to give you a big kiss—know!” said Roger.

“I’ve never kissed a girl before,” answered Lee, with hesitation.

“Does she agree, without you making her?”

“Yes, yes, yes, of course, she said its ok, but the offer is not going to last forever. If youre afraid just pass it up, it’s your loss. Sherry is waiting with warm-lips, make up your mind man.”

“No, I’m not afraid” said Lee, taking in a deep breathe, looking at Sherry, her beautiful blond hair, silk-like hair, long shapely legs, dark blue eyes, thin waist.

“How old’s your brother Mike?” asked Rodger.

“Thirteen, right,” Mike looking at me.

“Well, here you go, she’s seventeen,” said Rodger whom was nineteen.

I said in my mind, boy he gets the re good looking babe’s.

Several of the neighborhood kids were standing about waiting for the event to take place, it all started as a practical joke when they found out I had never kissed a girl.

The gang was watching impatiently, making gestures to one another as if to say: let’s get this on the road, or forget it, it’s getting old news.

I decided at that moment as the gestures were being thrown back and forth, to make my move, glancing over at Rodger as he looked here and there, with a grin, being the man of the hour with his girlfriend,

Rodger was one of the main members of the unofficial neighborhood gang, or if you will, group-members, otherwise known as the ‘The Cayuga Street-Donkeyland Gang,’ so nick-named by a police officer that patrolled the area, and for the most part was partial to the kids. He had said once, and Lee overheard it,

“You kids down here are a bunch of Dinkies…ya-all live in Donkeyland, just a bunch of hard-headed kids.”

I guess when he went to the St. Paul, Police Station where he worked he referred to the location [Cayuga Street by Oakland Cemetery] as Donkeyland. Whatever, I picked up on it and it never left my mind, and I told the guys.

As Sherry approached Lee, standing at one time several feet to his side by Rodger, now approached him, she was within two feet. She smiled that soft, reserved smile put her hand on his shoulders,

“Yup,” he commented. And then she touched his lips gently, softly positioning them, and a little harder, she had already moved in to within a foot of him, now she moved the other foot closer, and her body was touching his, and the kiss became long and wet. Then slowly she withdrew from him. Rodger was staring, somewhat surprised everyone looking at Lee for a response.

“Well,” Rodger said, “Did you like it?” Sherry still looking with a smile at Lee,

“I want another one,” said Lee with his eyebrows almost touching the top of his forehead, opening up his eyes wider as if to absorb every little piece of warmth the kiss gave. Everyone started laughing: —that is, everyone but Rodger, who said immediately,

“I shared enough you’ve got to get your own girlfriend.” For Lee the kiss would last a long, long time. Sherry seemed willing to go for seconds but for the sake of preventing a war, she remained silent, as the several members stood in Lormer’s yard, two houses away from Lee’s -- Lormer’s was where many of the kids went to play pool in his basement. His father was a top chef, and he was related to Frankie Yank Vic. Lee and he were best of friends, Lormer being a year older, a few inches taller, had a hook for a nose which the guys made fun of, sometimes calling him “Eagle Beak.”

He had a professional pool table in his basement, and his mother and daughter played the piano often, and when possible preached the Jehovah Witness’s Gospel to whoever would listen. Lormer had several brothers, all older. One who just got out of prison, one that hung occasionally around with the gang, and one that was older and was hardly ever seen. The daughter was but seven years old in l963, and was as spoiled as a cat with five dead mice, wanting more.

The yard was huge they not only had a front yard, but two sections to the back. At times it was hard for either parents of Lormer’s to see what was happening in his backyard. Lee’s yard was also long in the back, but their house being on a hill, and the garage being below it, with a little land, and an empty lot next to it, it became a turn-around for the cars on Cayuga Street, especially when they went dragging.

The summer was warm, and by the looks of things may other things were in store for Lee, not just this first kiss, but it was the catalyst to a long running play in his life. He would measure all kisses according to this one. Sherry, her father being the Cemetery Custodian, and living in the Cemetery, would never be forgotten her charm, beauty, and her kind approach (this story is a testimony to that).

Related Articles:-

posted by How To French Kiss at 11:01 PM


How To French Kiss

“What’d ya-think Lee, she’s ready to give you a big kiss—know!” said Roger.

“I’ve never kissed a girl before,” answered Lee, with hesitation.

“Does she agree, without you making her?”

“Yes, yes, yes, of course, she said its ok, but the offer is not going to last forever. If youre afraid just pass it up, it’s your loss. Sherry is waiting with warm-lips, make up your mind man.”

“No, I’m not afraid” said Lee, taking in a deep breathe, looking at Sherry, her beautiful blond hair, silk-like hair, long shapely legs, dark blue eyes, thin waist.

“How old’s your brother Mike?” asked Rodger.

“Thirteen, right,” Mike looking at me.

“Well, here you go, she’s seventeen,” said Rodger whom was nineteen.

I said in my mind, boy he gets the re good looking babe’s.

Several of the neighborhood kids were standing about waiting for the event to take place, it all started as a practical joke when they found out I had never kissed a girl.

The gang was watching impatiently, making gestures to one another as if to say: let’s get this on the road, or forget it, it’s getting old news.

I decided at that moment as the gestures were being thrown back and forth, to make my move, glancing over at Rodger as he looked here and there, with a grin, being the man of the hour with his girlfriend,

Rodger was one of the main members of the unofficial neighborhood gang, or if you will, group-members, otherwise known as the ‘The Cayuga Street-Donkeyland Gang,’ so nick-named by a police officer that patrolled the area, and for the most part was partial to the kids. He had said once, and Lee overheard it,

“You kids down here are a bunch of Dinkies…ya-all live in Donkeyland, just a bunch of hard-headed kids.”

I guess when he went to the St. Paul, Police Station where he worked he referred to the location [Cayuga Street by Oakland Cemetery] as Donkeyland. Whatever, I picked up on it and it never left my mind, and I told the guys.

As Sherry approached Lee, standing at one time several feet to his side by Rodger, now approached him, she was within two feet. She smiled that soft, reserved smile put her hand on his shoulders,

“Yup,” he commented. And then she touched his lips gently, softly positioning them, and a little harder, she had already moved in to within a foot of him, now she moved the other foot closer, and her body was touching his, and the kiss became long and wet. Then slowly she withdrew from him. Rodger was staring, somewhat surprised everyone looking at Lee for a response.

“Well,” Rodger said, “Did you like it?” Sherry still looking with a smile at Lee,

“I want another one,” said Lee with his eyebrows almost touching the top of his forehead, opening up his eyes wider as if to absorb every little piece of warmth the kiss gave. Everyone started laughing: —that is, everyone but Rodger, who said immediately,

“I shared enough you’ve got to get your own girlfriend.” For Lee the kiss would last a long, long time. Sherry seemed willing to go for seconds but for the sake of preventing a war, she remained silent, as the several members stood in Lormer’s yard, two houses away from Lee’s -- Lormer’s was where many of the kids went to play pool in his basement. His father was a top chef, and he was related to Frankie Yank Vic. Lee and he were best of friends, Lormer being a year older, a few inches taller, had a hook for a nose which the guys made fun of, sometimes calling him “Eagle Beak.”

He had a professional pool table in his basement, and his mother and daughter played the piano often, and when possible preached the Jehovah Witness’s Gospel to whoever would listen. Lormer had several brothers, all older. One who just got out of prison, one that hung occasionally around with the gang, and one that was older and was hardly ever seen. The daughter was but seven years old in l963, and was as spoiled as a cat with five dead mice, wanting more.

The yard was huge they not only had a front yard, but two sections to the back. At times it was hard for either parents of Lormer’s to see what was happening in his backyard. Lee’s yard was also long in the back, but their house being on a hill, and the garage being below it, with a little land, and an empty lot next to it, it became a turn-around for the cars on Cayuga Street, especially when they went dragging.

The summer was warm, and by the looks of things may other things were in store for Lee, not just this first kiss, but it was the catalyst to a long running play in his life. He would measure all kisses according to this one. Sherry, her father being the Cemetery Custodian, and living in the Cemetery, would never be forgotten her charm, beauty, and her kind approach (this story is a testimony to that).

Related Articles:-

posted by How To French Kiss at 11:01 PM


How To French Kiss

“What’d ya-think Lee, she’s ready to give you a big kiss—know!” said Roger.

“I’ve never kissed a girl before,” answered Lee, with hesitation.

“Does she agree, without you making her?”

“Yes, yes, yes, of course, she said its ok, but the offer is not going to last forever. If youre afraid just pass it up, it’s your loss. Sherry is waiting with warm-lips, make up your mind man.”

“No, I’m not afraid” said Lee, taking in a deep breathe, looking at Sherry, her beautiful blond hair, silk-like hair, long shapely legs, dark blue eyes, thin waist.

“How old’s your brother Mike?” asked Rodger.

“Thirteen, right,” Mike looking at me.

“Well, here you go, she’s seventeen,” said Rodger whom was nineteen.

I said in my mind, boy he gets the re good looking babe’s.

Several of the neighborhood kids were standing about waiting for the event to take place, it all started as a practical joke when they found out I had never kissed a girl.

The gang was watching impatiently, making gestures to one another as if to say: let’s get this on the road, or forget it, it’s getting old news.

I decided at that moment as the gestures were being thrown back and forth, to make my move, glancing over at Rodger as he looked here and there, with a grin, being the man of the hour with his girlfriend,

Rodger was one of the main members of the unofficial neighborhood gang, or if you will, group-members, otherwise known as the ‘The Cayuga Street-Donkeyland Gang,’ so nick-named by a police officer that patrolled the area, and for the most part was partial to the kids. He had said once, and Lee overheard it,

“You kids down here are a bunch of Dinkies…ya-all live in Donkeyland, just a bunch of hard-headed kids.”

I guess when he went to the St. Paul, Police Station where he worked he referred to the location [Cayuga Street by Oakland Cemetery] as Donkeyland. Whatever, I picked up on it and it never left my mind, and I told the guys.

As Sherry approached Lee, standing at one time several feet to his side by Rodger, now approached him, she was within two feet. She smiled that soft, reserved smile put her hand on his shoulders,

“Yup,” he commented. And then she touched his lips gently, softly positioning them, and a little harder, she had already moved in to within a foot of him, now she moved the other foot closer, and her body was touching his, and the kiss became long and wet. Then slowly she withdrew from him. Rodger was staring, somewhat surprised everyone looking at Lee for a response.

“Well,” Rodger said, “Did you like it?” Sherry still looking with a smile at Lee,

“I want another one,” said Lee with his eyebrows almost touching the top of his forehead, opening up his eyes wider as if to absorb every little piece of warmth the kiss gave. Everyone started laughing: —that is, everyone but Rodger, who said immediately,

“I shared enough you’ve got to get your own girlfriend.” For Lee the kiss would last a long, long time. Sherry seemed willing to go for seconds but for the sake of preventing a war, she remained silent, as the several members stood in Lormer’s yard, two houses away from Lee’s -- Lormer’s was where many of the kids went to play pool in his basement. His father was a top chef, and he was related to Frankie Yank Vic. Lee and he were best of friends, Lormer being a year older, a few inches taller, had a hook for a nose which the guys made fun of, sometimes calling him “Eagle Beak.”

He had a professional pool table in his basement, and his mother and daughter played the piano often, and when possible preached the Jehovah Witness’s Gospel to whoever would listen. Lormer had several brothers, all older. One who just got out of prison, one that hung occasionally around with the gang, and one that was older and was hardly ever seen. The daughter was but seven years old in l963, and was as spoiled as a cat with five dead mice, wanting more.

The yard was huge they not only had a front yard, but two sections to the back. At times it was hard for either parents of Lormer’s to see what was happening in his backyard. Lee’s yard was also long in the back, but their house being on a hill, and the garage being below it, with a little land, and an empty lot next to it, it became a turn-around for the cars on Cayuga Street, especially when they went dragging.

The summer was warm, and by the looks of things may other things were in store for Lee, not just this first kiss, but it was the catalyst to a long running play in his life. He would measure all kisses according to this one. Sherry, her father being the Cemetery Custodian, and living in the Cemetery, would never be forgotten her charm, beauty, and her kind approach (this story is a testimony to that).

Related Articles:-

posted by How To French Kiss at 11:01 PM


How To French Kiss

“What’d ya-think Lee, she’s ready to give you a big kiss—know!” said Roger.

“I’ve never kissed a girl before,” answered Lee, with hesitation.

“Does she agree, without you making her?”

“Yes, yes, yes, of course, she said its ok, but the offer is not going to last forever. If youre afraid just pass it up, it’s your loss. Sherry is waiting with warm-lips, make up your mind man.”

“No, I’m not afraid” said Lee, taking in a deep breathe, looking at Sherry, her beautiful blond hair, silk-like hair, long shapely legs, dark blue eyes, thin waist.

“How old’s your brother Mike?” asked Rodger.

“Thirteen, right,” Mike looking at me.

“Well, here you go, she’s seventeen,” said Rodger whom was nineteen.

I said in my mind, boy he gets the re good looking babe’s.

Several of the neighborhood kids were standing about waiting for the event to take place, it all started as a practical joke when they found out I had never kissed a girl.

The gang was watching impatiently, making gestures to one another as if to say: let’s get this on the road, or forget it, it’s getting old news.

I decided at that moment as the gestures were being thrown back and forth, to make my move, glancing over at Rodger as he looked here and there, with a grin, being the man of the hour with his girlfriend,

Rodger was one of the main members of the unofficial neighborhood gang, or if you will, group-members, otherwise known as the ‘The Cayuga Street-Donkeyland Gang,’ so nick-named by a police officer that patrolled the area, and for the most part was partial to the kids. He had said once, and Lee overheard it,

“You kids down here are a bunch of Dinkies…ya-all live in Donkeyland, just a bunch of hard-headed kids.”

I guess when he went to the St. Paul, Police Station where he worked he referred to the location [Cayuga Street by Oakland Cemetery] as Donkeyland. Whatever, I picked up on it and it never left my mind, and I told the guys.

As Sherry approached Lee, standing at one time several feet to his side by Rodger, now approached him, she was within two feet. She smiled that soft, reserved smile put her hand on his shoulders,

“Yup,” he commented. And then she touched his lips gently, softly positioning them, and a little harder, she had already moved in to within a foot of him, now she moved the other foot closer, and her body was touching his, and the kiss became long and wet. Then slowly she withdrew from him. Rodger was staring, somewhat surprised everyone looking at Lee for a response.

“Well,” Rodger said, “Did you like it?” Sherry still looking with a smile at Lee,

“I want another one,” said Lee with his eyebrows almost touching the top of his forehead, opening up his eyes wider as if to absorb every little piece of warmth the kiss gave. Everyone started laughing: —that is, everyone but Rodger, who said immediately,

“I shared enough you’ve got to get your own girlfriend.” For Lee the kiss would last a long, long time. Sherry seemed willing to go for seconds but for the sake of preventing a war, she remained silent, as the several members stood in Lormer’s yard, two houses away from Lee’s -- Lormer’s was where many of the kids went to play pool in his basement. His father was a top chef, and he was related to Frankie Yank Vic. Lee and he were best of friends, Lormer being a year older, a few inches taller, had a hook for a nose which the guys made fun of, sometimes calling him “Eagle Beak.”

He had a professional pool table in his basement, and his mother and daughter played the piano often, and when possible preached the Jehovah Witness’s Gospel to whoever would listen. Lormer had several brothers, all older. One who just got out of prison, one that hung occasionally around with the gang, and one that was older and was hardly ever seen. The daughter was but seven years old in l963, and was as spoiled as a cat with five dead mice, wanting more.

The yard was huge they not only had a front yard, but two sections to the back. At times it was hard for either parents of Lormer’s to see what was happening in his backyard. Lee’s yard was also long in the back, but their house being on a hill, and the garage being below it, with a little land, and an empty lot next to it, it became a turn-around for the cars on Cayuga Street, especially when they went dragging.

The summer was warm, and by the looks of things may other things were in store for Lee, not just this first kiss, but it was the catalyst to a long running play in his life. He would measure all kisses according to this one. Sherry, her father being the Cemetery Custodian, and living in the Cemetery, would never be forgotten her charm, beauty, and her kind approach (this story is a testimony to that).

Related Articles:-

posted by How To French Kiss at 11:01 PM